Vasti Viana

26/07/2013 13:04

Vasti de Souza Viana nasceu em São Paulo, SP. Cursou o Técnico em Secretariado e graduou-se em piano pela Uni Rio. Passou uma temporada vivendo nos EUA, enquanto acompanhava seu esposo, que estava estudando naquele país. De volta ao Brasil, atuou como secretária, professora de inglês, piano e teoria musical, regente de coral infantil, palestrante, tradutora e escritora. Publicou seu primeiro livro, “Cura Para o Vazio da Alma”, em 2009.

 

Como e quando decidiu ser escritora?

Sempre gostei de escrever. Lembro-me que ainda no primário escrevi umas quadrinhas sobre a Anacleta que ganhou uma bicicleta, e um poema para o primeiro aniversário de um priminho da minha amiga, e o recitei na festinha.

 

Fale um pouco de suas publicações.

Escrevi uma apostila para músicos que atuam em igrejas e outra apostila sobre Técnicas de Ensino do piano. Escrevi vários artigos para revistas e blogs sobre temas acerca da espiritualidade. Traduzi do inglês e do espanhol vários cursos para o desenvolvimento feminino. Criei cenários, cenas e representações para programas infantís. Escrevi o livro “Cura Para o Vazio da Alma”, que trata da prática da oração eficaz.

 

Quando e como publicou seu primeiro livro?

Foi no ano de 2009 que publiquei “Cura Para o Vazio da Alma”. Entrei em contato com algumas gráficas, e escolhi a que mais me agradou na entrevista.

 

Explique por que optou seguir por esse caminho para publicar a obra.

Eu queria ter autonomia sobre minha obra, ficar responsável pela divulgação e venda.

 

Conte como surgiu a ideia de publicar o primeiro livro.

Senti que nossa comunicação com Deus é muito pequena, sem vibração, sem brilho. Isso se deve bastante à falta de conhecimento de quem é Deus. Muitas pessoas sentem um vazio na alma e procuram preencher com coisas, atividades exageradas, e até perigosas, mas quando as grandes emoções passam, o vazio continua lá, perturbando a alma. Então senti o desejo de escrever sobre como melhorar e enriquecer nossa comunicação com Deus através da oração e preces.

 

O que aconteceu nos bastidores da produção do livro, desde a concepção da ideia até a publicação, ao você segurar, pela primeira, vez o exemplar da obra?

Houve muita leitura, muita digitação, muita oração, muita reorganização. Por duas vezes fiz uma pausa grande. Uma vez pelo falecimento de meu esposo, a outra por causa de uma viagem que durou alguns meses. Depois, em minha comunicação com o designer gráfico, foi muito vai e vem de correção. Mas cada vez eu ficava mais feliz porque havia avançado mais uma etapa. Quando segurei pela primeira vez a obra prontinha, que alegria! Convidei o gerente da gráfica, que estava presente, para uma oração de agradecimento a Deus pela realização do sonho.

 

Conte-nos como foi o lançamento do livro.

Na verdade, não fiz uma reunião especial para isso. Sempre sou convidada a dar palestras ou pregações em igrejas, e cada vez é como se fosse um lançamento.

 

Conte-nos acerca de sua trajetória após o lançamento.

Tenho ouvido de lido depoimentos muito gratificantes dos leitores. Eles mencionam trechos do livro e os benefícios específicos que receberam.

 

Quais as principais dificuldades que você enfrentou e enfrenta como escritora?

Acredito ser a rápida vendagem. Sempre queremos vender muitos exemplares e às vezes o processo é meio devagar. Mesmo assim, estou na 3ª reimpressão do livro com a tiragem acumulada de quatro milheiros.

 

Você tem elaborado estratégias para superar essas dificuldades? Quais?

Quando percebo que a está meio devagar, oro ao Pai do Céu e, humildemente, peço que me abra portas para apresentar e colocar o livro, e dou graças a Ele, pois tenho recebido oportunidades maravilhosas.

 

Quais são seus projetos literários atuais?

Atualmente escrevo e edito um jornalzinho para um clube de servidores aposentados do qual participo, e escrevo quadrinhas para os netinhos. Ocasionalmente escrevo para blogs.

 

Para encerrar, deixe-nos uma mensagem especial:

A leitura de bons livros é sempre bem vinda, é boa companhia e nos enriquece. O fato de poder participar da ventura de escrever algo que beneficie alguém, compensa todo o tempo e trabalho que tivemos para colocar um livro nas mãos dos leitores.